12 may. 2014

[Galiza] Apresentaçao revista feminista e obradoiro mov sociais

Reproduzimos esta convocatória que nos figerom chegar as organizadoras desta gira:

Caras companheiras,

Há algum lugar más comum e coletivo que o amor? Qual é a linguagem dos amores?

A partir destes interrogantes as compas do coletivo Cambalache (Asturies) desafiam-nos a re-pensar os amores no último número da revista feminista La Madeja.

Entusiasmadas com um tema que leva algum tempo fervilhando nas nossas conversas, debates e experimentos políticos-pessoais, algumas mulheres animamo-nos a organizar de jeito auto-gerido uma gira de apresentaçao do último número desta revista. O nosso objetivo é alimentar a nossa busca coletiva por jeitos diferentes e mais saudáveis de amar e ser amadas, e avançar na construçao política de práticas que se afastem da sólida e quase inamovível estrutura do “Amor”.

Convidamo-vos a partilhar conosco as vossas impressoes, dúvidas e sentires sobre os amores nas atividades que programamos para esta gira das compas asturianas:

Quarta-feira/mércores 14 de maio Apresentaçao da Revista La Madeja
20:30hs Libraría Lila de Lilith (r/ Travessas, Compostela)

Quinta-feira/xoves 15 de maio Apresentaçao da Revista La Madeja
20:30hs CSA Cova dos Ratos (r/ Romil, Vigo)

Sexta-feira/venres 16 de maio
16:00 ás 19:00hs Obradoiro “Investigando o invisível: amores e desamores nos movimentos sociais”. CSAO Escárnio e Maldizer (r/ Algalia de Arriba, 11. Compostela)

20:30hs Apresentaçao da Revista La Madeja na Casa da Farinha (Pça da Azcarraga, 6. Corunha)

Para melhor organizarmos o obradoiro, agradecemos que confirmem a assistência:
mariafidalgo_ba@riseup.net ou 687 368 314 (Mari Fidalgo)

Para cubrir os custes de transporte das companheiras de La Madeja solicitamos às pessoas assistentes ao obradoiro uma contribuiçao de 5€. Naturalmente, quem nao tem nao paga, e será muito bem vinda à atividade.

Anexamos os cartazes e agradecemos desde já a ajuda com a difusao.

Aguardando que seja do vosso interesse e poder contar com a vossa presença, porque...

“os amores nos co-movem, mobilizam-nos sempre junto a outras"

... recebam um abraço afetuoso!

Mari Fidalgo

"É possível destruir a casa do amo com as armas do amo?" Audre Lorde

9 comentarios:

  1. Q tal por xerusalén??

    ResponderEliminar
  2. ??

    Xerusalén ??

    Podes aclarar esse interrogante??

    Vai dirigido ás pessoas que fazemos este blogue ou as que fam esta revista??

    ResponderEliminar
  3. ¿¿
    Non entedo pois non vai dirixido a ninguén. As madejas son núos textiles introducidos na península po-los xudeus.

    ResponderEliminar
  4. bom, gostaria-me conhecer a tua fonte para afirmar que as "madeixas" (madejas em castelám) foram introduzidas pelos judeus na península? pelo que eu sei madeixa proveem do termo latino "mataxa" (fio, cordel) e que á sua vez proveem do grego "métaxa" (seda bruta) e foi introduzida na península pelos povos arabes quando estiveram assentados na península: "A transformaçom da seda em madeixas ejecutava-se só por mestras fiadoiras qualificadas. Esta situaçom já se dava em época muçulmana e se reforça depois da conquista cristiá. Ainda quando tivera lugar a
    expulsom maciça dos moriscos em 1571, houvera exençons para 786 mulheres fiadoiras em tudo o reino de Granada" (http://www.mcu.es/patrimonio/docs/MC/IPHE/BienesCulturales/N5/03-Estudio_historico.pdf).

    Outra coisa som os tintes, que sim que eram judeus a maioria dos tintoreiros.

    De todas, resulta-me moi curiosa e interesante a deriva dos comentários desta convocatória.

    ResponderEliminar
  5. Home tanto-tanto como para ter que comprobar a miña fonte... Non sei... parece que te molesta o que escribo... Tú quedas guay por non usar wikipedia, ahahahahaha. A miña fonte é unha amiga de Siria que colecciona precisamente Madejas.(quedas satisfeito¿¿)
    pode que teñas razón, e que xudeus fosen os tintes. Mais o nome Madejas é árabe e pode que fosen eles os que a introducisen na península, si, pode. Pero a súa orixe e xudea, eles non lle chaman Madeja, chamanlle doutra forma que agora mesmo non me lembro. Grazas por ter sempre algo que dicir...

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Boa informaçom, obrigado pela resposta. Nom é que sempre tenha algo que dizer, mas neste caso é de agradecer (e nom há retranca algumha nas minhas palavras) que a deriva dos comentários (ainda que nom tenham muito que ver com a notícia em si, e de ai o meu interés primeiro em que aclararas o interrogante) é sem insultos nem desqualificaçons. E de verdade que som de agradecer os dados aportados.

      Eliminar
  6. Pos non dades unha ninghen. As madeixas aparecen ao longo da historia en distintas culturas e con distintos nomes. Un no tan universal non pode ser exclusivo dunha cultura e un tempo concretos. Quen coñece as suas verdadeiras orixes?

    É como a regueifa ou a percusión

    ResponderEliminar
  7. Perdoa meu, pero o debate ia ao respeito da introduçom na península; nom de donde era originária nem donde nascera primeiro. Pelo que lim, fala-se de Azerbaijám como o berçe, pero compartilho o teu ponto de vista de que é como a regueifa ou a percussom.

    ResponderEliminar
  8. Ah pos si. Tes razon fu me do fio
    :/:)

    ResponderEliminar