18 feb. 2014

Exitosa manifestaçom em repulsa do despejo da Sala Iago

Colamos de GalizaLivre esta crónica:


Em resposta ao recente despejo da Iago realizou-se ontem umha manifestaçom que, começando cara as oito da tarde na Porta do Caminho, rematou entre berros de raiba na porta do Concelho de Santiago.

Ao redor dum par de centos de pessoas levantárom a voz contra a impunidade de quem sem maior contemplaçom rebenta um projecto sociocultural popular como pretendia ser a dinamizaçom da Sala Iago, um histórico emblema da vida cultural da cidade no último século. E ainda contando com a presença de polo menos cinco carrinhas da Nacional e um acordoamento total, a manifestaçom decorreu com força e animada por algum estoupido e bote de fume polo caminho, que começando na Porta do Caminho, fijo Virgem da Cerca, parte do centro e rematou na Praça do Obradoiro.

O que passou estes dias em Compostela pode ser difícil de entender para alguém que viva num sítio normal, pois no que parece umha piada, a mesma elite política que anda a dar leiçons de cidadania e legalidade nom é outra que a que está até arriba de juízos bem mais próprios dumha autêntica máfia que dum governo municipal. Mentres que as capas sociais marginalizadas e rejeitadas polo seu poder som as que se encarregam, sem pretender benefício nengum, de abrir, restaurar e dar vida a espaços como a Iago. E por duro que seja nem é conto nem troula, é a situaçom coa que convivemos desde há bem tempo sem que houvera mais repercussons para os mafiosos do concelho que um par de substituçons como a do próprio Conde Roa, quem, e hai-lho que reconhecer, fijo um trabalho titánico para ser expulsado da vida política. Mas o resto ai seguem, e seguirám, mentres lhelo permitamos, dando aulas de moralidade e deixando claro que a única cultura possível para a cidade é a da conformidade e o pacífismo, dando-lhes total liberdade para se seguir lucrando a base de explorar os meios públicos.

3 comentarios:

  1. para os Pollíticos, en Compostela coma en calquera cidade ou vila de Galiza, xestionar os cartos públicos significa argallar os concursos para aprobar os presupostos ben enchidos das empresas adxudicatarias dos seus colegas, e a poñela man por debaixo da mesa. ¿quen quere macro proxectos que non benefician a ninguén mais que as empresas que nadan en ouro coas adxudicacions e os seus títeres nas administracions xestionando os cartos públicos? agora estan todxs imputadxs pero non han pagar coa cadea porque seguro que non derixaron rastro do seu cheire!

    botalles
    botalles

    bótalles merda ata que afoguen!!

    ResponderEliminar
  2. Video da mani polas compas de Galiza Contrainfo: https://www.youtube.com/watch?v=3kTCTLWfn44

    ResponderEliminar
  3. unha cronica bastante cutre. Engado algo maís de información básica:
    A manifestación fixo parada na sala iago onde se leu un comunicado. Non eran arredor De 200 manifestantes eran maís de 200, 250 ou 280 diría eu. OS antidisturbios eran 50, amén dos policías de paisano e OS localuchos.

    ResponderEliminar