8 jul. 2013

Notas sobre as manifestaçons e revoltas no Brasil

Colamos à ìntegra de Contra Info:
Nas últimas semanas grandes manifestaçons tomaram ruas, avenidas e rodovias das várias cidades do Brasil. Questionáveis, manipuladoras e policialescas, as notícias divulgadas pela mídia corporativa nom condizem com os fatos, açons e motivaçons observados nas ruas. Constituído coletivamente no âmbito da Rede Anticapitalista e Apartidária de Informaçom Política (RAAIP) o relato a seguir apresenta umha perspectiva informativa e libertária destas manifestaçons. Este esforço de mídia autônoma tem como meta informar militantes e organizaçons libertárias de outros países, tornar publicamente conhecidos alguns antecedentes destas manifestaçons, a indignaçom coletiva frente à violência estatal, a manipulaçom midiática dos fatos, e a luta dos povos contra a injustiça social e exploraçom no Brasil.

Contexto

Nos últimos anos as elites brasileiras tem promovido uma série de açons no sentido de consolidar a imposiçom de seu projeto de capitalismo/estadismo nacional. Tendo como referencias as políticas desenvolvimentistas de países como a China e a África do Sul, através de parcerias publico-privadas, o estado tem promovido diversos programas de aceleraçom do crescimento (PACs) em consonância com a Iniciativa para a Integraçom da Infraestrutura Regional Sul Americana (IIRSA). Para a efetivaçom destes programas, áreas cada vez maiores de floresta som derrubadas, grandes rios som represados para a construçom de enormes hidroelétricas voltadas para a geraçom de energia para parques industriais. A construçom de infraestrutura para a promoçom de industrializaçom pesada se dá uma vez mais em detrimento das populaçons carentes e dos povos indígenas despejados de seus territórios. Os transportes de passageiros e cargas no Brasil som em grande medida dependentes dos combustíveis fósseis cada vez mais caros. Todos os anos, os preços dos alimentos aumentam. As políticas de produçom de biodiesel promovidas pelo governo estám levando o país a uma crise alimentar sem precedentes. Mais e mais áreas de plantio de alimentos vêm sendo destinadas à produçom de biocombustível. Em muitas cidades, capitalistas e estadistas aproveitam a alta dos combustíveis para sobretaxar anualmente os transportes de massa que controlam. Nos últimos três anos também, a especulaçom imobiliária resultou num aumento de até 150% nos preços de aluguéis e terrenos urbanos. Como resultado, uma parcela cada vez mais significativa da populaçom nom pode arcar com as despesas básicas.

Casos de corrupçom som extremamente comuns no Brasil. Governantes aumentam seus salários e benefícios chegando a dezenas de vezes o valor do salário mínimo que é de 650 reais (o equivalente a 300 dólares).

Há mais de umha década a ideia de umha Copa do Mundo no Brasil tem sido promovida pelos meios da mídia corporativa como fonte de grandes benefícios a toda populaçom. No discurso divulgado a copa seria a melhor forma de ‘aquecer a economia, criar empregos e estimular o turismo’. Na prática, nada mais longe da verdade. A Copa do Mundo tem servido como estopim para a ampliaçom das políticas de controle, distraçom de massas e engenharia social. Milhares de famílias som removidas de suas casas para dar lugar às obras de infraestrutura da copa afiladas com políticas de gentrificaçom e especulaçom imobiliária. Nesse contexto som aprovadas leis como a PL 728/2011, estabelecendo estado de exceçom durante a Copa, criando varas especiais para proteger interesses da FIFA e da CBF, criminalizando e perseguindo movimentos sociais e dissidentes políticos, definindo como terrorismo qualquer manifestaçom pública de indignaçom ou descontentamento.

Movimento Passe Livre

As manifestaçons que deram início à série de protestos que estám acontecendo foram organizadas com base nas convocatórias emitidas pelo Movimento Passe Livre (MPL). O MPL se organiza em umha rede de jovens militantes, muitxs delxs apartidárixs e vinculadxs ao movimento estudantil nom institucional. Desde o início da década de 2000 o MPL vem convocando manifestaçons frente aos aumentos anuais nas tarifas de transporte de massas nas grandes cidades. Sua principal reivindicaçom é o fim da cobrança do transporte público para trabalhadores desempregados e estudantes. Diferente de outros anos, em que as manifestaçons organizadas pelo MPL juntavam no máximo alguns milhares de pessoas, nos protestos contra o aumento da passagem em março de 2013 o que se viu foi a rápida adesom massiva de dezenas de milhares de pessoas. Os primeiros protestos organizados em Porto Alegre sofreram umha forte repressom policial, mas no início de abril se conseguiu revogar o aumento da passagem que tinha ocorrido semanas antes. Após essas informaçons serem divulgadas pelas redes sociais e pela mídia, outras manifestaçons passaram a acontecer em outras capitais e cidades menores. Com a adesom massiva, diversas reivindicaçons se somaram as demandadas do MPL. Estas novas demandas foram exibidas pelxs manifestantes através de faixas, cartazes e gritos nas ruas. Enquanto alguns grupos questionavam o sistema capitalista como um todo, outros se contrapunham a Copa e suas consequências. Pessoas manifestavam seu descontentamento com as coberturas da grande mídia. Grupos demandavam do governo melhorias nos serviços estatais de educaçom, saúde e segurança. Houve também quem protestasse contra a corrupçom retomando símbolos dos cara-pintadas, movimento nacionalista adolescente amplamente utilizado pela mídia no início dos anos de 1990 que saiu às ruas demandando o Impeachment do entom presidente Fernando Collor. Em diversos casos, visons políticas profundamente conservadoras se fizeram presentes em meio às reivindicaçons. Ainda que majoritariamente pacíficas, as primeiras manifestaçons foram duramente reprimidas pelos aparatos repressores dos estados. Centenas de pessoas ficaram feridas devido ao uso de armas nom letais, muitas foram presas e espancadas.
Cobertura midiática, autocensura e distorçom

Frente a grande adesom de manifestantes, a mídia corporativa, que por anos havia ignorado o Movimento Passe Livre, se viu forçada a mudar o foco de suas coberturas. As intençons, no entanto, eram claras – as coberturas jornalísticas eram criadas de forma a manipular, dividir e pacificar as manifestaçons. Posturas pacifistas colaborativas com o aparato repressor passaram a ser entom constantemente elogiadas por repórteres e jornalistas que as associavam com expressons estéticas de cunho nacionalista. Bordons da época da ditadura foram resgatados em meio aos protestos. Questionamentos sistêmicos e críticas às coberturas midiáticas foram omitidos. De forma extremamente tendenciosa os meios de mídia incitavam a populaçom a assumir uma postura pacifista e nacionalista como a forma mais correta de agir nas manifestaçons. Ao mesmo tempo, manifestantes mais indignados que adotaram táticas consideradas mais agressivas de protesto foram retratados como uma minoria de vândalos, violentos e anarquistas – demonizados, perseguidos e criminalizados repetidas vezes pela grande mídia que incitava as forças repressoras a responder de forma violenta. Em Porto Alegre este tipo de conduta gerou grande indignaçom fazendo com que as manifestaçons se dirigissem para as instalaçons do Grupo de mídia RBS, diante da qual, por duas vezes consecutivas manifestantes e policiais entraram em confronto.

Muito das coberturas das manifestaçons têm se dado através das câmeras de controle do tráfego das cidades, ou de trás dos aparatos repressores. Muitas prisons têm acontecido em diversas cidades, e inúmeros casos de tortura jovens, adolescentes e pessoas idosas têm sido reportados pela internet, apenas divulgados por jornais e TV em termos de número, mas sem qualquer aprofundamento.

Temos visto na mídia, absurdos jornalísticos de autocensura e distorçom dos fatos: três manifestantes que se escondiam da tropa de choque atrás de umha banca de jornais, sem perceber, acabaram cercados. No momento exato em que seriam espancados diante da câmera da empresa de tráfego em cadeia nacional, a emissora televisiva TVCOM, do Grupo RBS, decidiu trocar de câmera para mostrar imagens das manifestaçons pacíficas que ocorriam em outro ponto da cidade. Em outro episódio ocorrido em Belo Horizonte, um manifestante com a cabeça aberta, cercado por uma dezena de policiais que os agrediam, é filmado por um repórter que em primeiro plano afirma que o ferido está sendo “socorrido” pela polícia.

Repressom, provocaçom e violência

Diante da truculência da polícia, um número cada vez maior de manifestantes passou a revidar os ataques dos aparatos repressores. Também a infraestrutura estatal e corporativa como vitrines de bancos e cadeias de grandes lojas foram quebradas. Prédios públicos foram ocupados e rodovias bloqueadas. Um número cada vez maior de policiais infiltrados agiu como agentes provocadores durante os protestos, e pela primeira vez pequenos comércios foram atacados, e manifestantes foram agredidos. Foram vistos também nas ruas grupos de fascistas se passando por apartidários, caçando “baderneiros” e partidários pelas ruas, e tentando se promover publicamente através de posturas politicamente corretas como recolher o lixo e desvirar lixeiras tombadas por outros manifestantes. Como resultado da manipulaçom da grande mídia muitos dos chamados “pacifistas” assumiram posturas policialescas cada vez mais evidentes, denunciando e perseguindo os chamados “manifestantes violentos”. Muitas pessoas passaram a aderir também à estética nacionalista em diversas cidades. As manifestaçons se tornaram mais comuns, em muitos casos ganhando ares de levantes e revoltas. Avenidas centrais de grandes capitais como São Paulo e Rio de Janeiro se tornaram palco de confrontos generalizados entre a polícia e manifestantes, com a primeira utilizando até mesmo armas de fogo contra estes últimos. Pessoas foram espancadas e ocorreram prisons absurdas e arbitrárias, como é o caso detençons por porte de vinagre, umha vez que essa substancia estava sendo utilizada contra os efeitos do gás lacrimogênio. Em Pernambuco, nordeste brasileiro, a primeira manifestaçom foi inteiramente pacífica. Atos de depredaçom a bancos, igrejas neopentencostais e prédios públicos foram duramente reprimidos pela massa nacionalista que cantava o hino e tinha o rosto pintado com as cores da bandeira brasileira. Ocorreram denúncias e perseguiçons na tentativa de colaborar com o trabalho da polícia. Ainda aconteceram atitudes repressivas aos setores marginalizados que aderiram às manifestaçons. Grupos de manifestantes aplaudiam a açom da polícia e demandavam a execuçom de adolescentes em situaçom de rua, por terem realizados furtos durante as manifestaçons.

Acusaçons de conspiraçom e preparativos para um golpe

Diante da resistência dos manifestantes nas ruas enfrentando, e em alguns casos vencendo os aparatos repressores, devido também à presença de símbolos anarquistas em bandeiras e pichaçons durante as manifestaçons, e ainda graças à presença de organizaçons libertárias envolvidas no Movimento Passe Livre, governantes e militares levantaram a hipótese de estar em andamento uma conspiraçom anarquista internacional pela derrubada do poder. Com conjecturas sem fundamento sendo publicadas nos jornais, libertárixs passaram a ser investigadxs pela agência de inteligência brasileira e forças policiais. Militantes do MPL foram ameaçadxs de morte durante os protestos. Um espaço cultural da Federaçom Anarquista Gaúcha foi invadido pela polícia sem qualquer mandato ou identificaçom. Livros e outros materiais foram aprendidos, materiais para pintar cartazes e faixas foram considerados ‘materiais para confecçom de coquetéis molotovs’. Um mapa com a identificaçom de órgãos de segurança foi implantado pela polícia para simular um eminente ataque anarquista ao estado. Também foi levantada pelo governo a hipótese de umha conspiraçom de extrema direita envolvendo setores da polícia do exército e da grande mídia, com o intuito de levar o caos às ruas das cidades, de forma a justificar uma intervençom ou golpe militar. Esta hipótese nom parece ser de todo fantasiosa, em algumhas cidades o efetivo militar tem se mostrado cada vez mais presentes. Um general de alta patente já se posicionou em favor de um novo golpe.

Articulaçom

Desde já, convidamos a grupos e indivíduos com afinidade com os ideais libertários, para um esforço coletivo na divulgaçom destas informaçons através de campanhas informativas sobre os acontecimentos relacionados ao autoritarismo no Brasil. Também é importante que a Copa do mundo no Brasil nom possa acontecer, para que este evento nom sirva de desculpa para a implementaçom de um estado policial de exceçom. Chamamos para o combate de discursos nacionalistas que no momento estám sendo divulgados pela mídia corporativa brasileira, ao que tudo indica, preparando terreno para um novo golpe da direita.

RAAIP – Rede Anticapitalista e Apartidária de Informaçom Política

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada