11 sept. 2012

[Grécia] Luita noturna nas ruas do bairro de Exarchia (Atenas)

A isso da medianoite do sábado, 8 de setembro, um grupo de compas que estavamos em Exarchia soubemos de que a uns 100 metros da praça do bairro, na rua Stournari e fronte à entrada da Politécnica, iniciaram-se uns enfrontamentos entre dois grupos de pessoas. Fumos lá por ver, junto a outrxs, o que se estava passando, sem poder entender exactamente quem eram os que se pelejavam. Perguntando à gente na rua, ouvimos que os vendedores de droga tentaram, umha outra vez, empurrar o seu nojento negócio mais arriba, respaldados por polícias secretas. Cabe destacar que desde há uns meses, a polícia tenta de novo transformar o bairro numha zona de venta de drogas, e que a rua Stournari volve a ser frequente cenário de pelejas entre gente do bairro e trapicheiros.

Quando chegamos à altura da rua Bouboulinas, a invasom fora repelida por umha multitude de jovens encarapuçadxs e se montaram já as primeiras barricadas com contentores ardendo. Desde entom e por várias horas, o tráfico na rua Stournari estivo cortado, e decenas de encarapuçadxs, incluso várixs migrantes, atacavam com pedras, botelhas e vários objectos contra os esquadrons de MAT que apareciam nas ruas laterais, arrojando à sua vez gases lacrimógenos a granel.

Cerca da 01:30, um cento de pessoas moveu-se rápidamente desde a rua Stournari cara o parque autogerido, ubicado na rua Navarinou e Zoodohou Pigis, passando a través das calexas do bairro. Chegando à rua Charilaou Trikoupi, montarom-se de novo barricadas com contentores ardendo e lançou-se um ataque contra o esquadrom de MAT por fora da faculdade de Pedagogia. Os antidisturbios conseguirom fazer-nos retroceder, correndo ao longo da rua Zoodohou Pigis, com direcçom à colina de Strefi. A pesar disto, novas barricadas erguerom-se na esquina da rua Valtetsiou e Charilaou Trikoupi, curtando lá também o tráfico. Despois de permanecer em Zoodohou Pigis por um tempo, e dado que as cousas estavam relativamente tranquilas, transladamo-nos de novo à rua Stournari, para ver que a situçom estava mais animada acá e que a luita da rua seguia em pê, com contínuos ataques e contra-ataques entre xs revoltosxs e a madeira. Um par de pessoas que tentaram tomar fotos, forom increpadas polxs encarapuçadxs, e as fotos que tomarom forom borradas.

Umhas das consignas que se corearom durante os enfrontamentos forom as seguintes:

Ráiba e consciência, negaçom e violência, imos sementar o caos e a anarquia!
Liberdade às cédulas do lume!
Liberdade a todxs xs que estám nas celas!
Anarquia, desestabilizaçom, acçom direicta, insurrecçom!
Isso é bo, tiros de kalashnikov para que o entendades!
A solidariedade é a arma dos povos, guerra contra a guerra da patronal!
A razom tenhem-na xs revoltosxs, e nom xs chivatxs e xs ajeonlhadxs!


Por certo, arredor das 03:00 horas da madrugada a intensidade dos enfrontamentos caera sinificativamente, e despedimo-nos da luita a pola cama.

Copiado, traduzido e colado por Edu de ContraInfo

2 comentarios:

  1. ¿Qué pensarán de esto quienes no hace tanto en un debate sobre drogas en la Gavilla de Compostela defendían abiertamente a los trapicheros y el consumo de drogas?

    ResponderEliminar
  2. Olá amigo anónimo que vês a sangue frio a provocar, pero dado que queres saber (que nunca ocupa lugar), eu, que fum quem colou esta notícia e umha das pessoas que defendim o consumo de drogas e manifestei-me em contra de castigar o menudeo (trapicheiros de poucas quantidades) vou dar-te a minha opiniom:

    As coisas nom som branco e negro, nem sequer grises, senom de múltiples cores. O conhecemento das drogas e das suas potencialidades deveriam ser educacionais e sociais, a proibiçom e penalizaçom (e nom estou a falar de legalizaçom, senom de despenalizaçom, que nom é o mesmo) do autocultivo e do consumo só conleva a um mal uso e abuso, além de favorecer as máfias e os subornos, e mesmo a corrupçom dos "corpos de seguridade", e a utilizaçom destas máfias polos governos para introduzir drogas em bairros que destacam pola sua combatividade e a sua luita contra esses governos (nom só na Grécia, também se passou em Euskadi ou na Galiza em tempos da mal chamada transiçom, ou mesmo no bairro valenciá do Cabanyal quando as luitas contra a especulaçom e a destruiçom do bairro).

    Um bo conhecemento de como actuam as diversas drogas nos nossos organismos e um acesso nom penalizado ao autocultivo acabariam de raiz com tudos esses problemas que os/as proibiçonistas nom sodes quem de ver, além de que tais atitudes (proibiçonistas) tenhem-se demonstrado ao longo da história dos povos como a origem dos males causados polas drogas (nom só a lei seca dos USA), entanto que em sociedades tribais (as poucas que ficam e as que existirom) desconhecem-se os problemas com o consumo das drogas sociais ( só existirom com drogas desconhecidas introduzidas por pessoas alheias a essas tribus e com ánimo de dobrega-las, como agora em Exarchia).

    Entanto a penalizaçom do autocultivo e do consumo segam sendo moeda corrente, só favorecerám os intereses dos governos e das máfias (se é que nom som o mesmo) e quem gostamos de consumir algumha que outra droga teremos que seguir recorrendo a amigos/as trapicheiros/as que arriscam ser castigados por só uns poucos quartos de benefício (eu nom conheço a ninguém que se figera rico com o menudeo, mas sim conheço mais de um/umha que deu com os seus osos nos cárceres por elo).

    Além, amigo (ou amiga) anónimo/a, tu serias partidário/a de pechar bares, cafeterias, teterias, estancos e farmacias?? Ou mesmo proibirias o teu corpo quando produce endorfinas ou dopaminas??

    ResponderEliminar