17 jul. 2014

A sospeitosa teima de Espe com Podemos

"Que se fale de nós ainda que seja mal" nom é umha sentência dos génios da maldade a olhos de Espe, os alemáns Goebbels e Münzenberg. Pero sim é algo bem certo ao meu parecer. Por isso toda esta cantinela anti-Podemos desta corredora fugitiva, da-me para pensar mal.

Espe será todo o insoportável que poida ser umha arrogante milhonária com títulos nobiliários e direito vitalício ao aforamento, pero tonta, o que se di tonta, nom crio que ninguém se atreva a tilda-la. Quanto di Espe que se sae da norma das cortesias políticas, tem de seguido imediata alta repercussom em todos os falsimedios e mesmo nos alternativos que vem ne-la umha joia a seguir para desqualificar ao PP. E isso chama-me ao desconfio.

Nom resulta estranho que solte esses impropérios justo quando se sabe que a maioria dos votos que recebeu Podemos provinham de votantes do PSOE e IU?? Acaso vos nom considerades que, dalgum jeito, todo isto beneficia a Podemos e ao PP?.

Eu mesmo chego a pensar que é umha campanha orquestrada entre ambos, Espe e Pablo Iglesias, para aligerar o caminho eleitoral de promesas caducas como a socialdemocracia ou o eurocomunismo, e combater mão a mão nas furnas entre neoliberais (chamados antanho fascistas) e reformistas possibilistas. Umha luta que semelha encarnizada pero da que ambos desfrutariam em campo aberto. Eu nom duvido de que os seus elevados egos ficariam plenamente satisfeitos.

E como remate desta reflexom, quero colgar aqui estoutra que atopei pola rede, que o meu parecer define bem a política de Pablo Iglesias e Podemos:

"O reformismo nom é umha ideologia, nem sequer umha ideia, é simplemente a renúncia á luita, é a morte das ideias e da esperança, é adaptar-se o sistema e ás suas regras, ao seu jogo, por isso é estéril e é podre todo quanto toca. Os reformistas nom crêm na transformaçom da sociedade, só aspiram, ainda que ás vezes o ocultem, á conquista do poder, nom buscam nem sequer as melhoras das condiçons laborais e sociais dos trabalhadores se bem sí a utilizam como pretexto para acadar os seus objectivos e a suas ambiçons pessoais: ocupar cárregos e poltronas, acadar o estatus de líder, de liberado, de burócrata, de jefe".

Redactado por Tancredo Tantonto para Abordaxe.

Nota: A imagem corresponde-se mais com a notícia publicada acá em Abordaxe sobre Podemos e o alcaide de Vilanova de Arousa: Se bem eu nom conhecia tal vinheta do genial Dávila quando se publicara, e agora fica bem para esta.

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada