8 may. 2014

[Porto] Censura na Casa Viva pelo 1º de maio

Reproduzimos o COMUNICADO (sobre a retirada da faixa) que recolhimos do blogue da Casa Viva, um espaço autogerido, no que tivemos a imensa sorte de ser convidadas, em 8 de março passado, a apresentar a nossa revista Abordaxe numha jornada de Solidariedade com xs presxs anarquistas:

A Casa Viva, como sempre tem vindo a fazer de variadíssimas formas, assinalou o 1º de Maio (Dia Internacional do Trabalhador) com a sua posiçom política sobre a questom laboral, neste mundo dominado pelo Estado e pelo Capital.

Na noite de 30/04 para 01/05, às 00:00 horas, umha faixa, com umha mensagem clara e directa, foi colocada na sua fachada. A mensagem era e continua a ser a seguinte: «SER ESCRAVA PARA SOBREVIVER, IDE-VOS FODER». Cerca de 38 horas depois, no dia 02/05, às 14:30, chegou o ataque da censura sem sobreaviso, nem notificaçons, nem explicaçons.

Depois de expostos estes factos, imaginem a nossa surpresa quando chegámos à Casa e verificámos que a faixa (pano, fios, madeiras) tinham desaparecido e que um vidro da janela do 1º andar estava partido. É legítimo perguntar: O que se passou aqui? Quem nos roubou a faixa? Quem partiu o vidro? Soubemos pela voz da populaçom no local que os culpados deste ataque tinham sido a PSP, Polícia Municipal e Sapadores do Porto.

Cerca de 38 horas depois termos pendurado a faixa, no dia 02/05 às 14:30, tinha chegado o ataque da censura sem sobreaviso, nem notificaçons, nem explicaçons. Este ataque vestiu a máscara de umha palavra, «obscenidade», e foi executado pelas mãos conjuntas da PSP, PM e dos Sapadores do Porto. Perguntamo-nos: que obscenidade?

Ficámos na dúvida, pois todas as palavras escritas na faixa têm entrada nos mais prestigiados dicionários!

Terá sido o «IDE-VOS FODER»? Certamente que nom, pois em reconhecidíssimos dicionários [desde o Dicionário da Língua Portuguesa contemporânea (2001:1778), da Academia das Ciências de Lisboa e Fundaçom Calouste Gulbenkian, passando pelo Novo Dicionário da Língua Portuguesa conforme o acordo ortográfico (2007:759), até ao Dicionário Priberam da Língua Portuguesa (2008-2013)], a palavra «foder» nom aparece nem com a definiçom nem com a categoria de «obscenidade».

Portanto, nom terá sido esta a palavra obscena. Terá sido «ESCRAVA»? Terá sido «SOBREVIVER»? Apesar de nem «escrava» nem «sobreviver» virem referenciadas como tal, a escravidom laboral e a sobrevivência som um facto! Daí a serem palavras censuradas
por iniciativa de um poder e autoridade policial por «obscenidade», já passa a ser fascismo!

Deixai-nos utilizar a palavra «obscenidade», como algo indecente, desonesto e torpe! Obscenidade é umha entidade projectar a sua própria representaçom numha palavra e decidir censurar umha faixa. Obscenidade é as esquadras nom disporem de um dicionário à mão! Obscenidade é a poluiçom visual do poder do capital publicitado pela cidade inteira à custa dos nossos olhares, a benefício das eleitas barrigas capitalistas.

Obscenidade é o espaço público nos ter sido roubado! Obscenidade é a censura!

Perguntamos: quem tem o direito de avaliar, censurar, agir, roubar e partir impunemente? Será que vam assumir o prejuízo do vidro? do pano? das tintas? das cordas?

Apelamos a que todas as casas exerçam o seu direito de fachada, já muito bem pago pelos impostos (IMI) no direito de habitar!

Apelamos a doaçons de panos, tintas e pincéis!

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada