29 abr. 2014

[Istambul, Turquia] As anarquistas saem ás ruas.

Dois correios recebedos da Agência de Notícias Anarquistas -ANA- dam conta de dois actos públicos de anarquistas, no momento em que este pais estivo na picota mediática pelo feito de ter-se proibido o uso de certas redes sociais e o bloqueio de plataformas de video, mas, pelo geral, goça da estima dos governos europeios e dois seus vozeiros, de feito forma parte, junto a estes, de organismos repressivos e/ou económicos internacionais como a OTAN, o Coselho de Europa ou o grupo dos 20 (do que é membro fundador).

As anarquistas turcas da capital Istambul, nom ficaram na casa para chorar as suas desgraças do mundo virtual, e sairam de piquenique na quarta feira 23 e, no domingo 27, forom distribuir, a rostro descuberto e nas ruas céntricas, o novo número do jornal “Meydan Gasetesi” e folhetos chamando para o “1º de Maio Anarquista”. Colamos a informaçom recebeda e fotos dos actos:

Piquenique

Na manhã desta quarta-feira (23 de abril), várixs indivíduxs participaram de um piquenique libertário numha área verde e afastada do centro da cidade de Istambul. O evento contou com conversas, jogos, danças, músicas, cançons folclóricas, e umha mesa grande(um pano estendido no chão)com comida a fartar. A actividade, organizada pelo grupo Lise Anarsist Faaliyet (LAF), buscou concretizar momentos de felicidade, de partilha e solidariedade.

Mais fotos do piquenique anarquistas

Difusom material anarquista

No começo da tarde deste domingo (27 de abril), um grupo de anarquistas tomou as ruas próximas da grande praça Taksim, umha regiom bem central e movimentada de Istambul, para divulgar o novo número do jornal “Meydan Gasetesi” e folhetos chamando para o “1º de Maio Anarquista”. Nesta ediçom, o jornal traz um especial abordando a farsa das eleiçons locais.

1 comentario:

  1. Mesmo com proibição, anarquistas chamam ato do Primeiro de Maio na praça Taksim

    O primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou que não autorizará manifestações do Primeiro de Maio na praça Taksim, em Istambul, onde durante meses decorreram protestos contra o Governo.

    "Aqueles que insistirem em celebrar o dia [na praça Taksim] estarão a dizer: 'Estou pronto para confrontos'", disse Erdogan, recentemente numa coletiva de imprensa.

    "Desistam das vossas esperanças em Taksim. Não se envolvam numa luta com o Estado. Não perturbem a paz do nosso povo. O nosso povo não quer ver ruas onde prevaleçam as pedras e os cocktails molotov", acrescentou.

    Contudo, grupos anarquistas e de esquerda prometeram ignorar a proibição. Nos últimos dias, diversos agrupamentos anarquistas intensificaram nas ruas de Istambul a chamada para um Primeiro de Maio libertário, anticapitalista e antiautoritário na emblemática praça Taksim.

    Em maio do ano passado, uma decisão no mesmo sentido das autoridades turcas motivou confrontos violentos entre a polícia e manifestantes, a que se seguiu uma onda de protestos antigovernamentais.

    ResponderEliminar