12 mar. 2014

Ao respeito da luita marinheira de ontem nas ruas de Compostela.



Sem entrar em valoraçons políticas e éticas de quem vive de matar animais como substento (seja na terra, seja no mar), sim quero fazer umha analise da situaçom de guerrilha urbana vivida ontem em Compostela, onde bravos marinheiros opugerom-se com barricadas, lançamentos de objectos contundentes e lume á violência policial que, em mandato de ordes do governo, cumpriu as suas fazetas de vigiantes da lei que permite aos ladrons seguir ocupando cadeiras em despachos de concelhos e parlamentos sem que ninguém poida chistar quando lhe quitam de comer. O video adjunto, realizado por GzVideos, é umha monstra do bo fazer jornalístico, onde xs autênticxs protagonistas da jornada tenhem o seu papel principal, algo que nom sucede igual com outros medios que pretendem ir de alternativos.


Desta volta a presência de alcaldes e deputados autonómicos de BNG, AGE e PSOE afora do parlamento, levou a que algumhas delas levara também nas suas carnes algum porraço e empurrom (bem pouquinho comparado com o que levarom marinheiros e mesmo polícias) o que derivou em que medios nacionalistas como SermosGaliza, Praza ou IrmandadeTV destaquem nos seus cabeçalhos estes conatos violentos contra os seus afamados líderes e as suas afamadas lideresas e deixem num segundo plano a violência desatada pela polícia contra marinheiros e famílias.

O que sim é de destacar que este feito (que xs polítiquilhxs que gostam das cadeiras também levaram que contar) deu pê a que nem o BNG, nem AGE, e nem sequer o PSOE tiraram de comunicados desvinculándo-se dos actos violentos dxs manifestantes e criminalizando a resposta das gentes do mar; cousa que, como destaca Diário Liberdade, sim figeram na manifa estudiantil de há uns dias (ve-se que quando lhes tocam a elxs mudam drasticamente os seus pareceres); porque se algo merece destaque do que se passou ontem pelas ruas da capital galega, é o ánimo de luita do povo trabalhador galego ante as injustiças criadas por políticos que, entanto enchem os seus petos de dinheiro roubado, pretendem levar á fome a milheiros de pessoas que vivem do mar porque nom souberom fazer o seu suposto trabalho (e estou a falar dos e das deputadas europeias, do ministro de Pesca, Arias Cañete, e demais vividores do alheio).

Outro ponto que me chamou a atençom ao recopilar a informaçom de medios galegos supostamente comprometidos, é o encono em tildar á polícia nacional como polícia espanhola, como se entre os membros deste corpo repressivo (e ao igual que se passa com a Guarda Civil) nom houvera um bo feixe de galegos e galegas dispostas a malhar entre a sua paisanagem a pouco que recebam a ordem de malhar sem mirar. Estxs que tildam á polícia de espanhola som da mesma pelagem que aquelxs que queriam criar a polícia galega a imagem e semelhança de Ertzaintza ou os Moços D'esquadra (ve-se que molam mais de que lhes zurrem a bandana falándo-lhes na lingua do povo).

Pois que se vaiam aclarando, as forças policias nunca vam-se ponher do carom do povo, e os/as politiquilhxs de poltrona só se ponherá bravo quando também levem nas suas carnese vejam pelos seus proprios olhos as barbaridades das forças repressivas.

eDu

2 comentarios:

  1. Concordo totalmente coa valoración da actitude dobremoralista e chaqueteira destes políticos, que moito condenar pero cando lles zoupan a eles calan coma cobardes. Alén, para a próxima, a ver si máis de un leva unhas ostias nosas, e non da policía (ou da policía tamén, a min tanto me ten, pero antes nosas)...

    Ánimo a esas mariñeiras viguesas!

    ResponderEliminar
  2. http://1.bp.blogspot.com/-YP07nwHKKPM/UyBMSCwHJ4I/AAAAAAAARuA/CifrUDvDttQ/s1600/b_450_0_16777215_00_archivos_Administradores_Maur%C3%ADcio_2014-03_110314_luta5.png

    Momento sillazo... que grande jajajaja

    ResponderEliminar