29 ene. 2014

[Barcelona] Seis pessoas detidas ontem por agressom a oito fascistas e hoje Registro policial desmesurado no CSO Can Vies em Sants

Construimos esta notícia em base ao Comunicado publicado na web de Can Vies e ampliamos informaçom de meios e agências (neste momento está a ter lugar umha assembleia aberta na praça de Sants):


Um desmesurado operativo policial irrompeu esta madrugada pelo Centro Social Okupado Can Vies, rebentando a porta com violência, com o objectivo de efectuar o registo ordenado pela juíza de instruçom numero 19 de Barcelona. Segundo os Mossos d'Esquadra, o registo está relacionado com as detençons de 6 pessoas, presumivelmente implicadas nos acontecimentos de 12 de Outubro. As detençons ocorreram em diversos pontos do território.(1)

Dentro de Can Vies dormem 6 pessoas que nom estám detidas mas sim retidas desde as primeiras horas da manhã, as quais estám impedidas de comunicar com amigos e família.(2)

Face a estes acontecimentos, desde Can Vies queremos denunciar, para começar, a desproporcionalidade do operativo policial intimidatório mobilizado pela Brigada Mòbil dos Mossos d'Esquadra, acompanhada por numerosos agentes à paisana, destribuidos por todo o bairro. Assim mesmo, denunciamos o constante cerco policial, judicial e administrativo de que sofre Can Vies desde há anos e mostramos a nossa solidariedade para com os seis companheiros detidos ontem, previamente denunciados por ultras de extrema direita.

Para finalizar, apelamos à participaçom na concentraçom de solidariedade com Can Vies e de repúdio à operação policial que se mantem desde as primeiras horas da manhã na Praça de Sants.

(1)Os acontecimentos de 12 de Outubro referem-se ao ataque antifascista a ultras de extrema-direita, no feriado nacional do estado Espanhol conhecido como "dia da Hispanidade". Os Mossos d'Esquadra detiveram em martes a seis pessonas e imputam-lhe os delitos de lessons, com a agravante de motivos de ódio, e de danos.

(2)O registro dos Mossos d'Esquadra em Can Vies concluiu sobre as 17.30, mais de 10 horas desoois, sem que houvera novas detidas segundo informarom a Europa Press fontes da polícia catalana.

A juíza justifica o registro porque lá "preparou-se" a ataque a ultras (EFE)

Segundo o auto da juíza, umhas quince pessoas armadas com barras, cadeias, pedras e objectos contundentes "atacarom de forma sorpressiva a um grupo de oito pessoas" que tras acudir á manifestaçom ultra estavam a tomar algo num bar da rua Farell.

Para a juíza, a motivaçom ideológica da ataque fora "evidente" porque os autores levavam sinais da sua ideologia e os agressores berraram "fachas de merda, imos matar-vos' e outros insultos similares.

No auto de autorizaçom da entrada e registro de Can Vies, a juíza justifica a medida porque as seis pessoas relaçonadas com os feitos "foram observados (e gravados) quando, pouco antes da ataque, saiam de Can Vies, em inequívoca actitude e conducta de preparaçom da acçom".

Assegura que "se pode observar como se dam indicaçons da direcçom a seguir, como adoptam precauçons para intentar ocultar rostros e indumentárias, e portam barras, paus, pedras ey outros objectos contundentes".

Segundo a magistrada, tra-la agressom "contundente, rápida e direita dirigida contra pessoas determinadas, quanto menos tres dos autores volveram ao interior de Can Vies".

A investigaçom determina que os investigados estám relaçonados com a Plataforma Antifeixista de Barcelona, que organiza nesse centro diferentes actos culturais e lúdicos e que o edifício é "centro de reuniom habitual dos identificados".

Por todo elo, a juíz viu "necessário" o registro em Can Vies, para esclarecer os feitos e identificar a todos os participantes, donde assegura podem atopar objectos, instrumentos, papeis, material informático e outros efeitos relaçonados com o delito.

De momento é o que sabemos, nom temos notícias do que puidera atopar a polícia, mas de seguro que se levarom um bo feixe, dado o material buscado, que se pode atopar em qualquer centro social.

eDu

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada