2 dic. 2013

[México] Novo comunicado de Mario González, preso anarquista em greve de fome e Comunicado do "Plantom Solidário"

Na web criada na súa solidariedade (acá), entre notícias de actos solidários (o seguinte vídeo é dumha destas acçons realizadas em México pela sua liberdade, neste caso no estado de Morelos) e comunicados solidários, publicamos este seu Comunicado e outras cousas:


A todxs xs ingovernáveis do mundo...

A todas as organizaçons solidárias...

A mídia livre...

As pessoas em geral...


Quando completo 51 dias de estadia em greve de fome quero agradecer primeiro a todas as pessoas que, de diferentes maneiras, se solidarizam com a luta pela minha liberdade. Acabo de escutá-los gritando mensagens pela minha liberdade desde o meu quarto isolado no hospital de Tepepan. A vossa presença me alimenta e enche de força.

No dia 26, a juíza voltou suspender minha audiência pública, é óbvio que ela nom se preocupa com a minha saúde e que tem como escopo me manter encerrado (embora nom tenha elementos para fazer isso) e me deixar morrer aqui, mas isso nom será tám fácil, porque todos os nossos esforços nom podem ser ignorados e, embora nom queira, cedo ou tarde alcançaremos a minha liberdade.

As pobres mentes de funcionários e políticos ainda nom conseguem acreditar que damos a nossa vida por um sonho, enquanto eles se sentem deuses apoiados por sua legislaçom que freia a nossa liberdade; eles querem punir os incorruptíveis, os incorrigíveis que jamais aceitarám o seu jogo, nem as suas regras e as suas migalhas.

Estou confiante de que em breve nos veremos nas ruas, sei que sairei daqui.

"A revolta continua, um caminho em que nom há mais volta!"

Quinta-feira, 28 de novembro de 2013.

Mario González

Como digemos, além, na web, estám a publicar cartas e pronunciamentos de pessoas solidárias exigindo a sua imediata libertaçom e dam conta das actividades de apoio da sua luta, entre as que destacamos um "plantom" convocado às aforas do hospital penitenciário de Tepepan, onde está internado Mario, que fora instalado tras umha marcha-mitim realizada o joves 28 em demanda da sua libertaçom, e que as solidárias dim que vam estar lá, de forma indefinida, para acompanha-lo e continuar as acçons encaminhadas a acadar a sua liberdade, ademais de criar a alerta ante a presência das forças policiacas que puideram intentar um desalojo em qualquer momento. De feito durante este domingo 1 de dezembro continuou a presência policiaca e houvo pela manhá um seu intento de invasom, com o argumento de que recebiram umha denúncia anónima de que no interior do plantom havia “objectos aptos para agredir”. Colamos, de seguido, o primeiro Comunicado das solidárias deste "plantom":

Primeiro Comunicado do plantóm pela liberdade de Mario González

No contexto da actual política de criminalizaçom da protesta social implementada pelo GDF, o nosso companheiro Mario González, activista estudiantil foi privado da sua liberdade em 2 de outubro deste ano e por critério da juíza Marcela Ángeles Arrieta continua retido como represália pela sua actividade política, é por elo que a partir do dia 8 de outubro Mario mantém umha greve de fame como meio para exiger a sua libertaçom. Ante a nula resposta dos tribunais de impartir justiza, amigos, familiares e companheiros de Mario, determinamos instalar um plantom ás aforas do hospital que se atopa no Centro Femenil de Readaptaçom Social de Tepepan, donde Mario, quem já cumpriu mais de 50 dias em greve de fame, foi transladado em 22 de novembro de jeito irregular, nesse senso, para nós o mais importante é que se garante o benestar físico e psicológico do nosso companheiro. Anunciamos que manteremos este plantom de maneira indefinida e que nom nos imos mover de acá até ve-lo sair em plena liberdade.

Denunciamos o dolo com que actuam juíces, tribunais e autoridades do governo do distrito federal, para castigar a luta social a través das leis, transformándo-la em escenários de falsas lutas, de montar um perfil de delinquente para com nossos companheiros ante a sociedade a través do aparato ideológico do estado, como som as televisoras massivas.

Externamos a nossa solidariedade com os demais presos políticos e do sistema.

Sumamo-nos aos reclamos de justiza e liberdade do povo

Liberdade imediata e incondiçonal a Mario González García


Plantom pela liberdade de Mario González

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada