5 ago. 2014

[Brasil] Nota da Organizaçom Anarquista Terra e Liberdade sobre as prisons dxs luitadorxs e as perseguiçons políticas

Colamos esta interesante reflexom da Organizaçom Anarquista Terra e Liberdade de Rio de Janeiro, na que se aponta que o momento de maior repressom política se dê no governo do Partido dos Trabalhadores (PT), sem que isso seja umha sorpresa (leitura moi recomendada para xs siareirxs do "coletas" que vissitam este blogue para dizer-nos desde o anonimato o que "podemos" ou devemos publicar e o que nom).

Som tempos duros, companheirxs. É difícil encontrar as palavras que transmitam a nossa indignaçom frente às absurdas prisons políticas dxs luitadorxs, iniciadas no último 11 de julho.

Onde um Estado cujas palavras de ordem som a arbitrariedade e a violência, e onde a Lei é a inconstitucionalidade, para nós, que nunca acreditamos na Justiça burguesa, o que nos fortalece é o apoio mútuo e as redes de solidariedade axs presxs, foragidxs e aos seus familiares que se formaram em vários sectores da sociedade civil. É urgente que fagamos umha campanha anticarcerária nacional e forte, contra a criminalizaçom dos movimentos sociais, dxs luitadorxs e das organizaçons da classe trabalhadora, como também polo fim imediato de todos os processos e inquéritos.

Para muitxs é umha surpresa assustadora que o momento de maior repressom política desde a instauraçom do AI-5 se dê no governo do PT. Para nós isso nom é umha surpresa, é apenas a consequência lógica do jogo estatal, quem aceita fazer parte da farsa eleitoral, automaticamente se coloca ao lado dos torturadores. Um exemplo é o actual secretário de segurança pública do Rio, que era agente infiltrado da dictadura no movimento estudantil e, assim como todos os torturadores e outros crápulas do regime, continuou seu trabalho sem grandes mudanças sob o dito regime democrático. A farsa da redemocratizaçom está escancarada, a mesma PM que matava na dictadura civil-militar é a que mata hoje, que é a mesma que matava na dictadura varguista que é a mesma que matava com Arthur Bernardes, que é a mesma que caçava escravos fugitivos e índios rebeldes. A repressom nom surgiu em 64 e nom acabou em 85.

Nos marcos desse exemplo histórico de caçada aos movimentos reais de luita do povo, hoje as organizaçons anarquistas voltam a ser criminalizadas, como foram desde o acenso do movimento operário anarquista brasileiro, na década de 1920. Xs anarquistas sempre estiveram organizadxs actuando como fomentadorxs da luita do povo, desde os lugares de trabalho e moradia, contra o extermínio do Estado e contra exploraçom de classe. Nós anarquistas éramos e somos um perigo para o poder constituído, pois defendemos a negaçom deste – o poder popular -, que nom é obra de líderes, mas sim de um trabalho árduo e contínuo de mobilizaçom e de luita ao lado do povo, incentivando sua acçom direita e sua organizaçom revolucionária contra o Estado e por um mundo novo, justo e livre. É essa a Justiça que queremos, a que o povo fai na sua luta, onde o povo decide e onde ninguém fica para trás. O poder popular nega o Estado e constrói toda a organizaçom social de forma federativa e de baixo para cima, toda propriedade é colectivizada e o povo reparte entre os trabalhadorxs o fruto de seu próprio suor. Sem patrons, políticos enganadores, corruptos ou corruptores, sem depender dos mandos do capitalismo financeiro global. Carregamos um mundo novo em nossos coraçons e com Terra e Liberdade nós construiremos a Comuna Popular do Rio de Janeiro.

Nos termos do Estado burguês, isso é um absurdo e por isso a perseguiçom ao anarquismo é necessária. É preciso marcar a carne de toda umha geraçom com a passividade que eles tanto prezam, amedrontar a juventude combativa com prisons «exemplares». Mas, nós atingimos a espinhal dorsal da reacçom, na sua crença de que nom há saída para a política, para nossas condiçons materiais e sociais. O levante popular de 2013 levou ao desespero todxs aquelxs que buscam manter a ordem actual, trazendo consigo umha nova materialidade política, novas liçons estratégicas, novas possibilidades de victória.

Solidarizamo-nos a todas as organizaçons e luitadorxs que estám sendo criminalizadas por meio desse sádico espetáculo policial-midiático, pois sabemos que o objectivo de toda essa perseguiçom é reprimir a quem luita e quem acredita que é preciso dar um BASTA à exploraçom de classe e a todas as opressons. Perseguem-nos porque denunciamos o papel nefasto que cumpre as polícias, porque estamos cansados de ser esculachados perdendo casa, escola, hospital para que meia dúzia de capitalistas lucrem durante os dias de Copa do Mundo!

Xs militantes da OATL têm participado, a cada dia, da organizaçom do povo. E sabemos que nom somos só umha organizaçom! Somos o povo revoltado, somos o povo que nom vai se calar! A OATL estará na rua, porque o povo estará. Nom tem Estado ou Burguesia que possa conter a legítima revolta do povo, pois eles mesmos provocaram essa revolta! A longa experiência amarga do povo fai com que ele mesmo criasse suas armas de autodefesa e resistência. A acçom direita, as ocupaçons, as comunas, as greves e os actos de rua nom foram invençom dos anarquistas, mas do povo em luita contra as opressons. Nom somos nem nunca desejamos ser os responsáveis da revolta popular, somos mais um na multitude indignada.

É intolerável que deixemos passar o terrorismo de Estado que mata todos os dias o povo negro e com a mesma brutalidade se volta contra xs luitadorxs sociais. Estamos ao lado do povo! Criminosas som as leis que defendem os inimigos da classe trabalhadora. A criminalidade está na cor que colore nossos corpos, negros na pele, negros na bandeira, negros no coraçom. Banda armada é o Estado e o Capital que se utilizam de métodos fascistas de controle de nossas vidas com escuitas, agentes infiltrados e quebra de privacidade das comunicaçons, perseguiçom, coacçom e tortura aos familiares dxs presxs e foragidxs! Os crimes quem os comete som as grandes corporaçons de mídia, os governos federal, estadual e municipal! Nom se pode criminalizar um povo que se rebela e se organiza contra a exploraçom e a opressom de todos os dias. Nom se pode criminalizar a justa revolta do povo!

E frente a toda essa ofensiva repressiva, concluímos que o único crime é NOM LUITAR! É preciso que nós tomemos novamente as ruas! A pressom popular é fundamental para desarticular a máquina repressiva do Estado, denunciar o espectáculo forjado polas grandes mídias para confundir-nos, alienar-nos e convencermos de que a luita nom leva à mudanças. Convoquemos nossas organizaçons, colectivos, órganos de base, grêmios, equipes esportivas, grupos de advogadxs, associaçons de bairro e toda a sociedade civil. Publicizemos nosso apoio, denunciemos o terrorismo de Estado e, sobretudo, saiamos às ruas!

LIBERDADE PARA TODXS PRESXS E PERSEGUIDOS POLÍTICXS!

FIM DOS PROCESSOS POLÍTICOS!

NINGUÉM FICA PARA TRÁS!

O ANARQUISMO NOM PODE SER CAPTURADO! TODO PODER AO POVO!

OⒶTL

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada