7 mar. 2013

Artigos de Adri, "Senlheiro", desde Soto del Real

Figerom-nos chegar ao nosso correio desde o "Colectivo de Apoio a Senlheiro" estes 3 escritos desde as celas de Soto del Real (segue a espera de ser transladado em breve a Villabona, Asturies) para a sua publicaçom, ao que acedemos gostosas:

1.- "A TV é a mitade da condena, fai-te com umha"

Fôrom as últimas palavras do Chefe de Serviço da prisom de Soto del Real depois de deixar-me na cela de isolamento. Afortunadamente levava comigo umha rádio de mão quando, caminhando polo monte, botáram-se em riba de mim mais de dez encarapuçados que, durante mais de 2 horas, adicárom-se a denigrar-me, golpear-me e torturar-me psicologicamente.

Umha folha em branco e o calor humano dos outros presos é o que che fai seguir adiante quando chegas aqui, depois duns dias nas mãos da polícia, incomunicado, onde não tes absolutamente nada, e como muito podes escrever algo, se as paredes som amarelas, com o arámio da "chupa". As primeiras saídas ao pátio, caminhar dum lado a outro conversando com outra pessoa com a sua história própia. Histórias e palavras que som umha boa droga para a supervivência.

Entom das-te conta do contraste: aqui o tempo é infinito, quase um inimigo, nom há presa porque tampouco che deixam ir a nengures, claro (21 horas na cela e em frente um muro). Na rua é ao contrário: o tempo é ouro, sempre há que mover-se, ir algures, mas muitas vezes com presa, sem sentido. O trabalho, o tráfego, a discoteca, o facebook, as obrigas, "ser alguém!", o INEM, os "trapis", os videojogos, o espectáculo, mudanças, o google no que todo aparece..

Aqui nom temos nada, aparte do sustento mais básico (como os porcos no cortelho) mas temos ainda a nossa mente. Por isso oferecem-nos pastilhas ou recomendam-nos mercar umha televisom.

"A melhor arma do opressor é a mente do oprimido"

2.- De Quistiláns a Soto del Real.

-Menudo câmbio!.- Di-me o velho atracador madrilenho.- Antes no monte coas galinhas, e agora aqui metido!

Pois sim, eu venho da Galiza, dumha aldeia ou do que ainda fica dela, onde ainda mantém-se umha certa harmonia coa terra e a secular cultura galega mantém-se ainda viva, mas agonizante. E nom falo de "cultura" como falam os políticos, falo dum jeito de vida, dumha existência que se funde co entorno; e nom falo de "paisagem" como falam nas guias turísticas da Junta, falo de aproveitar o monte e cuida-lo, e disfrutar do rio e do horizonte; e nom falo de "galego da CRTVG", falo de cagar-se em Dios, mas também do "ghato" e da "ghadanha"; tampouco falo de "civismo", falo de dizer-lhe "ola" ao vizinho e comentar-lhe como vai a tarde e do cheio que leva o carretilho.

E nom, nom era todo idílico, estava (está) ainda muito por conservar e trocar. Há muitas costumes perdidas (como os contos a carom do lume) e outras impostas (como o automóvel, a televisom, ou o feisbuk), há ofícios perdidos e vidas de escravitude laboral, há casas abandoadas e chalés de "ricos"; há sabiduria e valores que se perdem, e muito machismo e medo paralisador que se conserva. Há cada vez mais eucaliptos, fala-se-lhe castelám ás crianças, e já case ninguém trabalha as terras, a história esquece-se e a identidade morre.

Um dia a aldeia encheu-se de polícias encarapuçados, e encheu-se também de moç@s que lhes berravam e lhes tiravam pedras, os meus irmáns.

Agora estou aqui, metido neste "búnker" a centos de kilómetros da terra, no que apenas vejo um muro, e um carcereiro pregunta-me se saim na Tv.

"...Nom nos entendem, nom."

3.- O Polaco

- "O cárcere é um negócio e todos os negócios provenhem do crime" diz o polaco.

No seu pais o cárcere é ainda pior que aqui, saem ao pátio 1 hora ao dia e estám seis ou sete num quarto. Ele tivo um problema há muitos anos com uns mafiosos do seu pais que ameaçavam a sua familia, e, tras 23 anos fugido vivendo e trabalhando sem papeis com outra identidade, um dia indo a mercar o pam, quando o param pola rua os polícias, trabuca-se ao ensinar o seu pasaporte e ensina o que nom devia. Total, que o detenhem e pidem-lhe cadeia perpétua em Polónia.

Na engranagem carcerária colhem muitas histórias e personagens, gente que sabe que o dinheiro nom é legal nem ilegal, que o dinheiro move o mundo, e que este procede da guerra, da conquista, da especulaçom, do crime. Que há trabalhos legais e trabalhos ilegais.

Sabe que nos EEUU os cárceres som privados, que "quem fai a lei fai a trampa", que "todo funcionário tem o seu preço", que os verdadeiramente poderosos nunca entram no cárcere, que a repressom é também un negócio, que "todos somos peças desse jogo". Sabe-o o ionki, o preso "político", o atracador e o ladrom.

Do que se trata é de libertar-nos da engranagem.

Viva Galiza Ceive!
Abaixo os muros das prisoms!

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada