5 feb. 2013

Especial AlasBarricadas: Egipto, um povo sedento de liberdade. Anarquistas empurram a revoluçom

Poida que os meios de comunicaçom estejam perplejos ante o surgimento de anarquistas em Tahrir, pero a verdade é que o anarquismo estivera tra-lo impulso insurrecçonal desde o seu começo.

Muitos som os motivos pelos que o povo egípcio sinte que as revoltas que agora cumprem dous anos, foram traiçonadas pelo partido que está hoje no governo [Irmãos Muçulmanos] e que tomara parte nelas.

A nova constituiçom recém aprovada [com o 63% de votos afirmativos e só um 33% de participaçom] concede ambiguamente amplos poderes ao presidente, Mohamed Morsi e introduce elementos religiosos. Económicamente o povo egípcio está passando por dificultades com umha grande tasa de paro, salários polo cham e os preços e os impostos medrando. Recém o governo anunciou umha nova suba de impostos, prévia à concesom dum préstamo do FMI de 4.800 milhons de euros que vai asfixiar ainda mais ao povo.

Istos e outros feitos, como a repetiçom do juízo ao derrocado dictador Mubarak, a sentência a morte em Port Said de 21 siareiros da equipa de fútebol local por linchamiento a ultras da equipa vissitante [há sospeitas de que foi umha acçom de pessoas alheias em connivência com a polícia, castigando assim a militância política dos hooligans], os acordos de Morsi e Obama ao respeito de Israel, o apelativo de "ovelhas" à cidadania árabe polo primeiro ministro de Quatar,... tudo elo acadou que no segundo aniversário do começo da "Revoluçom egípcia" se geralizaram por todo o pais os protestos culminados em disturbios, pedindo a dimissom de Morsi e recuperando as demandas de pam, liberdade e justiza social que conmoveram e inspiraram ao mundo enteiro há dois anos.

Nesta ligaçom de Alasbarricadas tendes este especial onde falam dumha jornada internacional de solidairedade para amanhã dia 6 de fevereiro e distos apartados:

1.- Últimas notícias
2.- Os anarquistas empurram a revoluçom em Egipto
3.- A raíz das detençons em Alejandria
e 4.- O movimento anarquista egipcio aparece com umha ondanada de ataques e enfrontamentos

6 comentarios:

  1. Detido onte membro da CNT de compostela. Concentracion hoxe nos xulgados ás 12. A detención parece estar relacionada ca última folga xeral. (Borrade este comentario se queredes tamen, coma o outro igual, para algo é o voso blog, mais non fardedes de que aqui se pode comentar libremente se non se falta ao respeto)

    ResponderEliminar
  2. Bom, nom sei quem borrou o comentários antérior (somos várias as piratas com permiso para faze-lo), mas igual eu também o teria borrado pois nom crio que seja o correcto numha notícia sobre anarquismo em Egipto, meter um comentário da detençom dum membro da CNT Compostela, e poida que essa fosse a causa.

    Seria de agradecer que, em troques de enviar um comentário "fora de lugar", enviaras a nossa caixa de correio (o contacto está bem à vista e claro arriba e à direita) umha crónica da notícia para ser publicada.

    Acho que a tua crítica está tam fora de lugar como o teu comentário, pois em Abordaxe soemos publicar todo sucesso represivo do que temos notícia na Galiza ( tanto sejam contra indepes como contra anarquistas ou contra qualquer pessoa que sofre repressom ).

    ResponderEliminar
  3. Ala, já está publicada umha entrada específica com a detençom do filiado da CNT, aguardo que a vindoura vez antes de lançar críticas fagas um uso correcto deste blogue, dado que tanto interes tês em que saiam acá publicadas as vossas notícias. (de todas reservamo-nos o direito a publica-las ou nom, dado que nom soemos dar cabida neste blogue às lutas sindicais de chorar polo curro e polas pelas dos despidos)

    ResponderEliminar
  4. grazas por publicalo, e segue así, non desperdicies unha oportunidade para desfogarte, ainda que sexa una detención. Toda a culpa é nosa, dos pobres curritos que "choramos" por un curro que nos permita sobrevivir aquí e agora... non todos podemos ser cús de poltrona de funcionario, por desgraza.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Cús de Poltrona de Funcionário ?? Perdoa mas eu (que nom me escudo no anonimato para criticar) som pessoal LABORAL da USC no posto mais baixo do calafón (aux de serviços de conserjeria desde há mais de 20 anos sen ter-me apresentado nunca a unha prova de "ascenso de categoria") e pelo que sei no vosso sindicato em Compostela abondam cárregos funcionários (mesmo na USC ou noutras ramas da educaçom), mesmo som ampliamente maioritários entre as filiadas mais velhas.

      "Ainda que sexa unha detención !! " ; claro como quando en Corunha, o día dessa greve geral, as vossas compas mirarom para outro lado entanto eram detidas várias anarquistas que nom militam no vosso chiringuito.

      Ala que nos nom fumos a chorar-vos e que vos vaia bem com as vossas práticas de captaçom de currelas em negócios familiares de hostalaria !!

      Eliminar
  5. "pelo que sei no vosso sindicato em Compostela abondam cárregos funcionários", pois pouco sabes, non chegan nin ao 10%, tendo en conta que mais do 10% da clase traballadora desta cidade son funcionarios, mais tiñamos que ter.

    De todos xeitos non teño nada en contra dos funcionarios, tan só pido un pouco de comprensión dos que non fixeron unha entrevista de traballo en 20 anos aos que temos que ofrecernos como carne barata no mercado laboral para poder comer, incluso ofrecernos en negocios familiares de hostelería, onde por certo á dinámica patrón-currito é máis dura que nas grandes empresas ou no sector público.

    ResponderEliminar