21 mar. 2012

Morre um outro interno de Bonxe.- Emilio Antonio Pena Luaces, de 33 anos

A família de Emilio Antonio Pena Luaces, de 33 anos, interno de Bonxe que faleceu de doença durante umha saída autorizada, denuncia que o médico do centro penitenciário nom lhe prestou assistência devida e pede que se depurem responsabilidades pola sua morte.

Tal e como explicam os familiares na denúncia -apresentada na passada quarta-feira junto da Guarda Civil de Lugo-, no dia 20 de julho de 2011, Emilio sentiu-se mal e foi ao médico do centro, que lhe diagnosticou umha gastroenterite e o pujo a dieta.

Umha semana mais tarde, como estava cada vez pior, com fortes dores abdominais e sem parar de vomitar, pediu ser examinado novamente, «mas o médico lhe dixo que nom tinha tempo porque era mui tarde e que tomasse mais soro», afirmam membros da família.

Nesse mesmo dia, Emíliuo saiu da prisom para desfrutar de umha saída autorizada de três dias e foi para casa da mai, onde explicou aos familiares que levava dias mui doente. «Vimo-lo tam mal», explica a sua irmá Susana, «que chamamos o 061 e a ambulancia decidiu o transladar de imediato a Urgências». Emílio chegou ao hospital com insuficiencia respiratória e pancreatite aguda, polo que ingressou na UCI, onde morreu o 3 de agosto.

As irmás do falecido asseguram que a assistência que tivo o irmao em Bonxe sempre foi deficiente. «Nom lhe davam os medicamentos para a diabetes e no expediente aparecia diagnoticado um cancro de pulmom que nom tinha”. No informe do hospital figura que padecia hepatite, e no entanto no centro nunca lha detetaram e estava em contato com o resto de doentes.

Pola sua banda, o director do centro penitenciário de Bonxe, Modesto Gutiérrez, tratou de justificar esta morte declarando aos méios quee Emilio Antonio Pena era umha pessoa toxicómana «que nom se coidava e nom fazia caso às indicaçons médicas». E mesmo afirmou que Emílio tivera umha gastroenterite e que saira do centro «em boas condiçons».

A Emilio -que levava quatro anos em prisom por roubo e lesions- falhavam-lhe apenas cinco meses para sair em liberdade.

Informaçom colada de derechopenitenciario.com

2 comentarios:

  1. E outra pessoa mais apareceu morta em 15 de março aforcado no WC da sua cela do cárcere de Basauri:

    http://boletintokata.wordpress.com/2012/03/15/aparece-una-persona-muerta-en-la-carcel-de-basauri/

    Segundo fontes da sua própria família, umha pessoa presa, varom, vizinho de Bizkaia, J.M. , da que nom podemos precisar a sua idade com exactitude pero nesta ocasiom também era umha pessoa jovem, algo maior de 40 anos. Cumprira já 9 anos de prisom e pronto cumpriria o tempo da condea pola que se encontrava recluido em prisom.

    Este feito luctuoso, ainda nom notificado por Instituiçons Penitenciárias, representa umha nova crónica de mortes anunciadas nos cárceres.

    ResponderEliminar